Share |

DESOBEDOC: cinema está de volta ao São Mamede

O Bloco de Esquerda promoveu, na manhã desta terça-feira, uma conferência de imprensa para anunciar a realização da mostra de cinema documental DESOBEDOC, no São Mamede CAE, em Guimarães, realçando a importância desta iniciativa, de forma a suscitar o debate a reflexão em torno de assuntos como as alterações climáticas, as migrações e os direitos humanos, bem como para mostrar a necessidade de ter oferta de cinema no centro da cidade.

 

DESOBEDOC 2019

São Mamede CAE, Guimarães

 

Pela primeira vez, o DESOBEDOC estende-se a Guimarães e ocupa durante um dia o ecrã do São Mamede CAE, com filmes e debates. A entrada é livre e gratuita.

O DESOBEDOC nasceu no Porto, em 2014, com o objetivo de promover políticas culturais na cidade e criar público para cinema nos centros urbanos, que ao longo do tempo foi sendo expulso para os grandes centros comerciais. Num período difícil - o Governo não tinha Ministério da Cultura e a autarquia abandonara os equipamentos culturais - o DESOBEDOC assume-se como um ato de resistência. Dinamizava-se um fim de semana de sessões de cinema e mostrava-se que havia procura para este tipo de oferta cultural. Começou pelo Cinema Trindade, encerrado há 17 anos, que em 2017 já foi devolvido à cidade. Passou para o Cinema Batalha, atualmente em fase de obras para ser aberto brevemente.

Em 2019, trazemos cinema ao centro da cidade de Guimarães, recuperando o cinema São Mamede, que faz parte da memória coletiva vimaranense. Construido nos anos 70 , o São Mamede é um local mítico para os amantes da sétima-arte. Apesar disso, não passar filmes desde 2012. Por isso, o DESOBEDOC abre as portas do São Mamede novamente ao cinema.

Em 2019, ano de escolhas determinantes para o país e para a Europa, o DESOBEDOC mantém-se como espaço propício para a reflexão, para o debate e para o combate fiel ao espírito insubmisso que o fez nascer.

A promoção desta iniciativa é partilhada pelo Bloco de Esquerda, a Associação Transform e a Fundação Rosa Luxemburgo.

Estão todos/as convidados/as. Venham ser cúmplices.

PROGRAMA

14h00: Sessão de abertura

14h30: THIS CHANGES EVERYTHING, de Avi Lewis

Canadá / EUA, documentário, 2015, 90´

Filmado em 211 dias, em nove países e cinco continentes, ao longo de quatro anos, This Changes Everything é uma tentativa épica de imaginar o vasto desafio da mudança climática.

Dirigido por Avi Lewis, e inspirado pelo bestseller internacional de não-ficção de Naomi Klein, This Changes Everything, o filme apresenta sete poderosos retratos de comunidades nas linhas de frente, da bacia do rio Powder, em Montana, ao Alberta Tar Sands, da costa sul da Índia.

Entrelaçada com essas histórias de luta está a narração de Klein. Ao longo do filme, Klein constrói a sua ideia mais controversa e excitante que podemos aproveitar a crise existencial da mudança climática para transformar nosso sistema económico falido em algo radicalmente melhor.

 

16h30: 8, AVENIDA LENINE, de Valérie Mitteaux e Anna Pitoun

França, documentário, 2018, 101’

Um documentário sobre Salcuta Filan e os seus dois filhos, Denisa e Gabi: uma família romena que vive há 15 anos nos subúrbios de Paris. Enquanto muitos políticos continuam a defender que os romenos “têm de voltar para casa", Salcuta prova que a França e a Europa têm capacidade de os receber com dignidade. Porque, como europeia que é, Salcuta escolheu a sua casa aqui, em França.

 

21h30: O SILÊNCIO DOS OUTROS, de Almudena Carraceno e Roberto Bahar

Espanha/Canadá/França/EUA, 2018, documentário, 96’

Um documentário que mostra a luta épica das vítimas dos 40 anos da ditadura de Franco, em Espanha, que continuam hoje a procurar justiça. Filmado ao longo de 6 anos, o filme acompanha várias vítimas e sobreviventes, enquanto organizam o "Processo Argentino" e enfrentam uma amnésia imposta pelo Estado perante crimes contra a Humanidade num país, que após quatro décadas de democracia, continua dividido.