Opinião

. A cidade cresceu de costas voltadas para o rio desligando as pessoas da sua existência e esquecendo que os habitantes são os melhores zeladores dos espaços. 

Agora é tempo de assentar a poeira e começar uma nova fase de intervenção, muito mais de ação e reação do que de preleção.

não disponível